[:pt]Como Okupar um Rio[:en]How to Squat a River[:]


As obras do eixo verde e azul já começaram em Sintra. Ao longo do mês de maio puderam ver-se, na encosta do Monte Abraão que desce até ao rio Jamor, máquinas da Câmara Municipal de Sintra (CMS) a trabalhar e a mover terras. Primeiro pânico, depois a questão: então e as hortas?   Uma curta caminhada ao longo do rio permitiu ver que a maior parte das hortas ainda existe, muito embora se note que algumas já foram abandonadas pelos seus hortelãos, provavelmente também assustados com as máquinas da Câmara. É incrível, como tão pouco tempo bastou para que esse abandono se traduzisse em mato desordenado e lixo – evidenciando este facto, mais uma vez, a importância das hortas para a manutenção das margens do rio.                                         Margem sem horta                                                                                     Margem com horta   Queríamos saber […]

As obras começaram: e as hortas?


Mas afinal, como podemos salvar o Jamor? Melhor do que ninguém para responder a esta pergunta são a Margarida e o José da iniciativa Vamos Salvar o Jamor.   “Vamos Salvar o Jamor surgiu como um movimento de cidadãos e residentes, pacífico e apartidário, tendo entretanto adquirido o estatuto de Organização Não Governamental de Ambiente (ONGA). O movimento tem como objetivo a retirada do Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor e sua substituição por soluções alternativas ambientalmente adequadas, social e economicamente justas.” A explicação da sua página web, bem como as partilhas que vão fazendo nas redes sociais, fez-nos pensar na obrigatoriedade de contactar este grupo de ativistas que, nos últimos anos, têm, de forma praticamente isolada, lutado contra o Golias que é o mercado imobiliário a tentar dominar a zona da Cruz Quebrada. Numa linda manhã de inverno, agradavelmente instalados numa esplanada no Centro […]

Diário de Bordo I Dia 12 I Como okupar um ...



Um oásis dentro de uma gruta. Penso que já aqui dissemos o quão paradisíaco é o lugar onde o Sr. José Amaral tem a sua horta.   É que, à primeira vista, ninguém daria nada por aquilo: no subúrbio de Queluz de Baixo (subúrbio de subúrbio, portanto), escondido por trás de prédios de construção barata dos anos 90, praticamente por baixo da endémica IC19, perdido num vale profundo e onde o sol apenas consegue entrar de esguelha. Para lá chegar é preciso descer uma ladeira que é praticamente a pique, com muito cuidado, para não escorregar nas pedras de calcário negro, gastas pelo uso e pelo tempo. Os latidos dos cães dos casinhotos construídos nos socalcos que ladeiam a íngreme descida avisam-nos que nos aproximamos de um outro universo, de uma nova realidade: aquela em que os mamarrachos dos anos 90 deixam de se ver e o IC19 deixa de se […]

Diário de Bordo I Dia 11 I Como okupar um ...


Um dos principais objetivos do Como okupar um rio é dar voz à sociedade civil. Bem como documentar o seu envolvimento na defesa dos rios, no caso, o rio Jamor.   Mas é facto que, se as pessoas devem beneficiar do poder de gerir rios, ele é necessariamente partilhado com os órgãos de poder, local ou nacional. Foi este o motivo que nos levou a contactar as autarquias dos municípios que são banhados pelo Jamor, isto é, os de Sintra e Oeiras. Queríamos saber de que forma e com que olhos vêm aquelas entidades a okupação que aqui tem vindo a ser debatida, e que em muitos casos é realizada em terrenos públicos. Uma das mais entusiastas respostas que recebemos  foi a da União das Freguesias de Massamá e Monte Abrãao (UFMMA), do concelho de Sintra, encabeçada pelo seu presidente Pedro Brás. Desde o primeiro momento foi demonstrado grande interesse […]

Diário de Bordo I Dia 16 I Como okupar um ...



O projeto Rios Livres do GEOTA estabelece uma parceria com o projeto Como okupar um rio Na medida em que contribui com um importante conhecimento científico, bem como com uma grande experiência, na defesa dos nossos rios.   Foi durante uma pequena vaga de tempo encontrada numa agenda bastante preenchida, que a Ana e o Pedro nos receberam nas instalações do GEOTA. Pensamos em filmar a entrevista na rua, mas aquela manhã de dezembro mostrava-se demasiado chuvosa para  tal. A entrevista começou com uma apresentação do que é o Rios Livres e dos seus objetivos: o projeto surge como resposta e para questionar o Programa Nacional de Barragens, considerando-o “uma das maiores ameaças aos rios portugueses”. Assim, é missão do Rios Livres travar a construção das barragens aí previstas, bem como “provar que há outras formas menos agressivas e mais baratas de obter energia, em detrimento da produzida pelas grandes […]

Diário de Bordo I Dia 15 I Como okupar um ...


A entrevista que fizemos à Margarida e ao José do Vamos Salvar o Jamor (VSJ) foi densa nos conteúdos e elaborada na forma. A conversa, que começou na praia da Cruz Quebrada, foi-se desenrolando à medida que subíamos o Jamor, entrando no Centro Desportivo Nacional do Jamor, terminando já à entrada deste, mesmo em frente aos campos de golfe.   Um dos principais temas conversados, e aquele que também foi o primeiro, foi necessariamente o plano de pormenor da margem direita da foz do rio Jamor, na Cruz Quebrada. Este é um projeto da Câmara Municipal de Oeiras, e contra o mesmo que o VSJ tem investido a maior parte da sua energia de ação. Segundo os dois ativistas ambientais, este plano coloca em risco princípios ambientais, bem como a segurança e a mobilidade das populações locais. Mais à frente, Margarida e José também nos falaram acerca da gestão dos […]

Diário de Bordo I Dia 14 I Como okupar um ...



A Natália é a pessoa que desde o início tem estado presente neste projeto. Foi ela que, nas primeiras incursões que realizamos, pacientemente nos explicou tudo acerca de como e onde o Jamor se forma; a importância do rio para a região, no passado e hoje em dia; quais as melhores pessoas para conversar, a fim de obter mais informações sobre a história do rio. E acompanhou o projeto sempre de forma bastante próxima, através dos muitos contactos pessoais que tivemos, ou através dos meios digitais. A Natália é, sem dúvida, uma figura chave do Como okupar um rio.   Foi por isso que a entrevista que lhe fizemos naquela solarenga tarde de novembro foi tão simples de fazer, e, sobretudo, prazenteira. Com apenas algumas perguntas, conseguimos organizar num único discurso todas as informações preciosas que ela nos havia dado ao longo deste tempo todo. Para além da entrevista, ainda […]

Diário de Bordo I Dia 13 I Como okupar um ...


Microfones e malmequeres A Luísa e o Luís conheceram-se há já muitos anos, trabalhava ele ainda na Marinha e ela limpava-lhe a casa.   Já nessa altura se davam bem e conversavam muito. Nas suas conversas havia um tema recorrente: as origens rurais da Luísa e a vontade do Luís em ter uma horta. Hoje já ele está reformado e ela arranjou outro trabalho. Mas nunca perderam o contacto. Um dia a Luísa soube que um vizinho ia largar o pedaço de terreno que okupava ao pé do Jamor, ali mesmo ao pé da estação de comboios de Queluz, e onde mantinha uma pequena horta okupa. Cheia de vontade de matar saudades de enfiar as mãos na terra, mas receando que a tarefa fosse grande demais para fazê-la sozinha, lançou o desafio ao Luís: que sempre tinha falado na vontade de ter uma horta, não queria agora aproveitar aquela oportunidade? Foi […]

Diário de Bordo I Dia 10 I Como okupar um ...



Foram as couves que hoje nos salvaram. Relembramos que o objetivo deste projeto é produzir uma ferramenta de aprendizagem, sobre como okupar um rio. Queremos saber como as atividades de okupação aumentam a relação sustentável entre o rio e as comunidades, económica, social e ambientalmente. O nosso caso de estudo é o Rio Jamor.   Serão desenvolvidas pelo menos 3 fases: a primeira, fazer um primeiro contacto com os okupas das margens do Jamor, recolhendo informações de caráter geral sobre esta comunidade: quem são, o que fazem, porque o fazem; a segunda, conhecer de forma mais próxima as atividades de okupação, através da realização de entrevistas e outras formas de recolha de dados participada; a terceira, sistematizar toda a informação recolhida e realizar um pequeno filme.   A primeira fase está concluída: descemos o rio Jamor e conhecemos os okupas estabelecidos ao longo das margens do rio, desde a sua […]

Diário de Bordo I Dia 9 I Como okupar um ...


Finalmente o rio desaguou! O Centro Desportivo Nacional do Jamor situa-se na Cruz Quebrada, já muito perto do local em que o Jamor desagua no Tejo.   O leito do Jamor é cada vez mais largo, e as suas margens já não têm hortas. Mas o rio continua a apoiar a comunidade local, nomeadamente, para a prática desportiva: há atividades náuticas e regam-se campos desportivos. Para além dos desportistas, há pessoas a passear. O rio tem peixes, diversas espécies de aves e muitas plantas subaquáticas.     Depois, o rio finalmente desagua. Ali, mesmo ao lado da estação de comboios da Cruz Quebrada. Forma-se uma pequena praia, algumas pessoas aproveitam os últimos dias de calor do ano, há pescadores de cana em punho. O mar vê-se ao longe.    

Diário de Bordo I Dia 8 I Como okupar um ...



Oeiras também é terra de hortas okupadas Os dias anteriores serviram-nos para seguir o curso do Jamor, sempre dentro do concelho de Sintra. Neste dia passamos para o outro lado do IC19 e chegamos a Oeiras.   O rio Jamor nasce na Serra da Carregueira, concelho de Sintra, e desagua na Cruz Quebrada, concelho de Oeiras. Percorre portanto dois concelhos, ambos da Grande Lisboa, fazendo do Jamor um rio urbano, pois nasce, corre e desagua numa área metropolitana, a de Lisboa. Esta é também uma das regiões mais povoadas de Portugal. Dona Maria, Brejo, Belas, Pendão e finalmente Queluz. Este é o percurso que o Jamor faz, e que nós visitámos, no concelho de Sintra. Neste dia entrámos no concelho de Oeiras, em plena Queluz de Baixo. Aqui, a margem direita do rio estreita-se e o terreno eleva-se abruptamente. Há apenas espaço para umas casinhas de pedra construídas em socalcos, […]

Diário de Bordo I Dia 7 I Como okupar um ...


Quando no meio da cidade irrompe o campo As hortas em Queluz são impressionantes pelo contraste que criam com os prédios em redor. Parece mesmo o campo a invadir a cidade, finalmente o triunfo da natureza.   Do passeio que está por cima da enorme planície que acompanha o Jamor, junto à estação de comboios de Queluz-Belas, veêm-se sempre muitas pessoas a trabalhar a terra. Nesse dia metemos conversa à distância com dois senhores, que, lá em baixo, regavam com uma enorme mangueira o que pareciam ser couves bebés. Queríamos saber como descer. Gritaram-nos que teríamos de ir até ao final da Avenida Miguel Bombarda e entrar por uma abertura entre dois prédios. Encontrámos a tal abertura e caminhámos por um carreiro, ao longo da margem esquerda do Jamor; vimos como o rio ali está tão limpo, com patinhos e algumas plantas subaquáticas; pudemos também ver de perto as dezenas […]

Diário de Bordo I Dia 6 I Como okupar um ...



Okupas sénior entre Belas e Queluz Às portas de Queluz aprendemos a aplicar um novo conceito: quinta okupa.   O Sr. Patrício é okupa na Quinta das Andorinhas. É uma okupação que dura há mais de 40 anos, o que faz do Sr. Patrício (e afirmamo-lo com todo o respeito) um okupa sénior. Divide o terreno, que é propriedade privada, e não do Estado, com pelo menos mais uma pessoa. Esta quinta okupa fica ali entre Belas e Queluz, sendo que não é única, nas redondezas. Podem ver-se, tanto para baixo (em direção ao rio), como para cima (em direção à serra), dezenas de outras quintas okupas, organizadas em socalcos, bem tratadas. No caso do Sr. Patrício, a Câmara Municipal de Sintra (CMS) fê-lo assinar uma declaração, na qual ele se compromete a desocupar o terreno, caso haja interesse nisso, seja por parte do dono, seja por parte do próprio […]

Diário de Bordo I Dia 5 I Como okupar um ...


Perdidas na floresta Mesmo à saída de Belas encontramos um caminho pelo meio de algumas hortas okupas.   Quanto às hortas, pelas suas grandes dimensões e de tão bem muralhadas que estavam, ficamos a pensar que esta ocupação já foi feita há muito tempo. Infelizmente, não encontramos ninguém com quem pudéssemos confirmar esta suspeita. O caminho levou-nos a subir o rio Jamor, praticamente até à zona do Lisbon Sports Club, já bem para dentro da Serra da Carregueira.     Nem parecia que estávamos a 5 minutos da cidade. Sempre avistando infraestruturas que identificamos pertencerem ao Aqueduto das Águas Livres (sim, o que acaba nas Amoreiras, em Lisboa), fomos caminhando pelo meio da natureza. Vimos como o terreno é rochoso, confirmando o que a Natalina nos havia explicado no dia 1. As hortas já tinham ficado para trás, aqui a natureza já se exprimia com maior liberdade: várias espécies de […]

Diário de Bordo I Dia 4 I Como okupar um ...



O Jamor, as minas e o golfe Fizemos a visita da praxe à Natália, antes irmos ter com o Sr. Henrique.   Visitamos as Minas do Brejo e imediatamente percebemos a sua importância na economia familiar do Sr. Henrique: regar a cultura agrícola, dar de beber aos animais e, no passado, fonte de água para todos. As minas também passaram a ajudar no lazer, quando perto de duas delas o Sr. Henrique construiu um espaço de refeições e descanso.     Depois fomos ao Lisbon Sports Club, em Belas, onde o Nuno, o greenskeeper do campo de golfe, já nos esperava no seu buggy. Estava pronto para nos levar a passear ao longo da porção do Rio Jamor que corre na propriedade do clube. Informou-nos que fazem com regularidade um trabalho de limpeza e de manutenção de margens, aproveitando o rio como um dos obstáculos na prática do golfe. Já […]

Diário de Bordo I Dia 3 I Como okupar um ...


A água de Dona Maria Voltando a Dona Maria, revisitamos a Natália.   Ela entretanto já tinha feito pesquisas para nos ajudar sobre o rio Jamor, mas nenhuma conclusiva quanto ao local da sua nascente, aconselhando-nos a consultar as cartas militares. São muitas, as minas de água existentes pela zona, havendo por exemplo uma mesmo debaixo do principal largo de Dona Maria, o Largo do Chafariz. Disse-nos que esta é a zona de Lisboa com maior quantidade de águas subterrâneas, pelo que a etnografia local está intimamente ligada ao tema da água: as lavadeiras até aos anos 80 assistiam Lisboa com os seus serviços, havendo hoje em dia ainda as almácegas onde lavavam a roupa (atualmente as almácegas estão em propriedade privada, não podendo ser visitadas); os aguadeiros iam de Dona Maria para Lisboa para vender água. Existe a crença que estas águas têm propriedades medicinais e era costume beber-se […]

Diário de Bordo I Dia 2 I Como okupar um ...



À procura de uma nascente Queríamos começar pelo início, encontrar o local onde nasce o rio Jamor. Não foi fácil.   Contrariamente ao esperado, a web não informa acerca do paradeiro da nascente do Jamor. Tudo o que se lá encontra é uma vaga informação sobre como o rio nasce em Dona Maria, na Serra da Carregueira, concelho de Sintra. De câmara de filmar em punho, fomos nessa verdadeira expedição. E descobrimos o seguinte: a)      Dona Maria é uma pequeníssima aldeia nos subúrbios da Grande Lisboa, mas preserva ainda características bem rurais - pequenas quintas, um casario meio desordenado que desemboca em pequenos largos, estradas de terra batida e muitas fontes; em Dona Maria toda a gente se conhece e/ou tem grau de parentesco. b)      O rio Jamor vai ganhando diferentes nomes, dependendo do lugar por onde passa (ribeira de Belas, ribeira do Brejo, ribeira de Dona Maria, etc); nasce […]

Diário de Bordo I Dia 1 I Como okupar um ...


Após a tendência do século XX de casas okupadas, trazemos para o século XXI uma nova necessidade: okupar rios. Ao usar modelos económicos insustentáveis, as comunidades urbanas têm perdido os seus rios como um bem comum. É urgente resgatar a relação antiga entre ambos. Como okupar um rio é uma ferramenta de aprendizagem de investigação e desenvolvimento, que visa mostrar como uma comunidade pode resgatar um rio pelo bem comum.     A relação rio-cidade é essencial para o desenvolvimento urbano. A disponibilidade de água foi sempre um dos factores decisivos para o estabelecimento definitivo das populações. Com o avanço industrial, as relações rio-cidade mudaram. Existe uma separação funcional, causada por grandes obras de correcção perpetradas nos rios urbanos, agravadas pelos fortes níveis de poluição de dos leitos e margens. Se os maiores rios são utilizados quase que exclusivamente para fins económicos, os mais pequenos, geralmente extremamente poluídos, constituem, nas […]

Como okupar um rio – introdução ao projeto