Daily Archives: Terça, 17 de Outubro de 2017


Finalmente o rio desaguou! O Centro Desportivo Nacional do Jamor situa-se na Cruz Quebrada, já muito perto do local em que o Jamor desagua no Tejo.   O leito do Jamor é cada vez mais largo, e as suas margens já não têm hortas. Mas o rio continua a apoiar a comunidade local, nomeadamente, para a prática desportiva: há atividades náuticas e regam-se campos desportivos. Para além dos desportistas, há pessoas a passear. O rio tem peixes, diversas espécies de aves e muitas plantas subaquáticas.     Depois, o rio finalmente desagua. Ali, mesmo ao lado da estação de comboios da Cruz Quebrada. Forma-se uma pequena praia, algumas pessoas aproveitam os últimos dias de calor do ano, há pescadores de cana em punho. O mar vê-se ao longe.    

Diário de Bordo I Dia 8 I Como okupar um ...


Terceiro exercício do processo de mapeamento desenvolvido pelo Outros Campeonatos no bairro Quinta do Cabrinha.   Neste exercício, quisemos conhecer as formas de expressão cultural do bairro. Como tal, foi envolvida a comunidade do Cabrinha. Cada participante devia indicar no mapa do bairro formas de expressão cultural desenvolvidas, quer individual, quer coletivamente, segundo sete categorias: artes, costumes, saberes e ofícios, crenças, instituições, objetos e edifícios. O grupo de participantes foi caracterizado através da sua idade e género. Em baixo a legenda dos símbolos utilizados.     Foram obtidas as seguintes respostas:     Análise descritiva das respostas Artes: 18 respostas As seguintes disciplinas artísticas são praticadas localmente: Artesanato/ trabalhos manuais – são referidos vários e várias habitantes com bastante habilidade para produzir este tipo de objetos, muitas vezes através do reaproveitamento de materiais, tais como, latão, madeira e afins. Música – o fado é bastante popular no Cabrinha (sobretudo entre […]

Mapeando o património cultural do Cabrinha



Segundo exercício do processo de mapeamento desenvolvido pelo Outros Campeonatos no bairro Quinta do Cabrinha.   Este exercício de mapeamento colectivo foi desenvolvido em duas fases: a primeira dentro do Cabrinha, envolvendo habitantes do bairro; a segunda, fora do Cabrinha, mas dentro da freguesia de Alcântara, envolvendo habitantes de outros bairros da freguesia. A primeira fase visou obter dados que nos permitissem conhecer de que forma os habitantes do Cabrinha utilizam os recursos urbanos que a freguesia de Alcântara e arredores disponibilizam; a segunda visou obter dados do mesmo tipo, mas relativamente a habitantes de outros bairros de Alcântara. Por um lado, quisemos comparar até que ponto a utilização dos recursos urbanos difere, entre os habitantes do Cabrinha e os restantes habitantes de Alcântara; por outro, procuramos perceber de que forma os habitantes de Alcântara vêm o bairro Quinta do Cabrinha e se utilizam os recursos que disponibiliza (e.g. campo […]

Mapeando os recursos urbanos de Alcântara


Primeiro exercício do processo de mapeamento desenvolvido pelo Outros Campeonatos no bairro Quinta do Cabrinha.   Queríamos entender quais são, para os habitantes, as zonas de conforto/ desconforto sensorial no bairro Quinta do Cabrinha. Assim, a tarefa era identificar essas zonas no mapa do bairro, utilizando oito símbolos diferentes.     Este exercício envolveu exclusivamente habitantes da Quinta do Cabrinha, e foi feito de forma individual. Eis alguns exemplos das respostas dadas:     Os resultados obtidos a partir de 52 respostas foram os seguintes:   Boca Verde/ Boca Vermelha Ao símbolo da Boca Verde os participantes atribuíram os significados de “boa comida”, “boa conversa” e “bom convívio”. À Boca Vermelha foram atribuídos significados, tais como, “pessoas a gritar das varandas dos prédios”, “discussões”, “conversa agressiva”.   Nariz Verde/ Nariz Vermelho O Nariz Verde representava para os participantes “limpeza” e “espaços verdes”. O Nariz Vermelho foi associado a “lixo”, “dejectos […]

Mapeando os sentidos no Cabrinha



Ao longo da implementação do Outros Campeonatos, enquanto pano de fundo das principais atividades do projeto, como os jogos de futebol de rua ou as visitas de turismo sustentável, foi desenvolvido um processo contínuo de mapeamento coletivo do bairro Quinta do Cabrinha.   O processo desenvolvido visou conhecer de forma simultaneamente mais ampla e profunda aspetos da realidade social do bairro. Queríamos saber como as pessoas vêm e usam o bairro Quinta do Cabrinha, as que lá moram, mas também as que vivem nas zonas circundantes; de que forma os habitantes do Cabrinha se relacionam entre si e com os espaços e recursos urbanos do bairro e arredores; também, de que forma os habitantes das zonas circundantes se relacionam com Cabrinha e têm acesso aos recursos que este disponibiliza; finalmente, o património imaterial do Cabrinha, os gostos, as vocações e os saberes dos que aí vivem, a história e as estórias […]

O Cabrinha mapeado – mapeamentos coletivos na Quinta do Cabrinha