Yearly Archives: 2017


As associações e movimentos contra a prospeção e exploração de hidrocarbonetos em Portugal exigem saber o que fará o Governo, após a emissão de pareceres negativos das Câmaras de Santiago do Cacém, Sines, Odemira, Aljezur, Vila do Bispo e Lagos contra o início de atividade do consórcio Galp/ENI. 18 de Dezembro de 2017 http://www.sulinformacao.pt/2017/12/camaras-disseram-nao-ao-petroleo-e-movimentos-querem-saber-o-que-fara-o-governo/  

SULINFORMAÇÃO: Câmaras disseram «não» ao petróleo e movimentos querem saber ...


Movimentos e associações que têm vindo a denunciar e a lutar contra a prospeção e exploração de hidrocarbonetos ao largo da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano tomaram uma posição conjunta, onde reafirmam a sua determinação em parar este processo. 20 de Novembro de 2017 http://www.sulinformacao.pt/2017/11/plano-de-trabalhos-da-galpeni-leva-ativistas-anti-petroleo-a-reafirmar-disponibilidade-para-a-luta/

SULINFORMAÇÃO: Plano de trabalhos da Galp/ENI leva ativistas anti-petróleo a ...



O documento enviado hoje à agência Lusa é subscrito pelos movimentos Alentejo Litoral pelo Ambiente (ALA), Algarve Surf and Marine Activities Association (ASMAA), Climáximo, Coletivo Clima, Futuro Limpo, Preservar Aljezur, Stop Petróleo Vila do Bispo, Tamera, Tavira em Transição, Campanha Linha Vermelha e pela Associação Rota Vicentina. 17 DE NOVEMBRO DE 2017 https://www.dn.pt/lusa/interior/ambientalistas-dizem-que-imposicao-de-prospecao-de-petroleo-viola-principios-democraticos-8924605.html

DN: Ambientalistas dizem que “imposição” de prospeção de petróleo viola ...


No último dia da conferência tecnológica Web Summit alguns ativistas faziam tricô e croché para evitar uma subida de 2.º Celsius nas temperaturas globais, valor entendido pela comunidade científica internacional como o ponto de “não retorno para as catástrofes climáticas”, revelou a organização da campanha Linha Vermelha, envolvida na intervenção, em comunicado. 09 DE NOVEMBRO DE 2017 https://www.dn.pt/lusa/interior/web-summit-ativistas-fazem-intervencao-contra-exploracao-de-petroleo-e-gas-8906562.html  

DN: Web Summit: Ativistas fazem intervenção contra exploração de petróleo ...



Microfones e malmequeres A Luísa e o Luís conheceram-se há já muitos anos, trabalhava ele ainda na Marinha e ela limpava-lhe a casa.   Já nessa altura se davam bem e conversavam muito. Nas suas conversas havia um tema recorrente: as origens rurais da Luísa e a vontade do Luís em ter uma horta. Hoje já ele está reformado e ela arranjou outro trabalho. Mas nunca perderam o contacto. Um dia a Luísa soube que um vizinho ia largar o pedaço de terreno que okupava ao pé do Jamor, ali mesmo ao pé da estação de comboios de Queluz, e onde mantinha uma pequena horta okupa. Cheia de vontade de matar saudades de enfiar as mãos na terra, mas receando que a tarefa fosse grande demais para fazê-la sozinha, lançou o desafio ao Luís: que sempre tinha falado na vontade de ter uma horta, não queria agora aproveitar aquela oportunidade? Foi […]

Diário de Bordo I Dia 10 I Como okupar um ...


  O Grande Torneio do Outros Campeonatos foi uma grande festa. Durante toda a manhã realizou-se o torneio. Para além da equipa Outros Campeonatos – Quinta do Cabrinha, participaram mais cinco equipas de futebol de rua: Desafios E6G (Mira-Sintra), O Companheiro, Bola Prá Frente E6G (Bairro Padre Cruz), Dá-te ao Condado E6G (Chelas), Clube Desportivo Santo António de Lisboa (Quinta do Cabrinha). No intervalo pudemos assistir a uma demonstração de cinotecnia do projeto Mão Guia. Os jogos terminaram, com a entrega do primeiro lugar ao Companheiro e o prémio de fair-play ao Santo António.   KidFun – Fundação Benfica   Olimpíadas da Reciclagem   À tarde foram realizadas muitas atividades de entretenimento. A Fundação Benfica trouxe o seu projeto KidFun; os jovens do Cabrinha organizaram as Olimpíadas da Reciclagem; durante toda a tarde houve uma piscina em frente ao espaço base do Outros Campeonatos; a We Hate Tourism Tours realizou […]

O Grande Torneio do Outros Campeonatos



Foram as couves que hoje nos salvaram. Relembramos que o objetivo deste projeto é produzir uma ferramenta de aprendizagem, sobre como okupar um rio. Queremos saber como as atividades de okupação aumentam a relação sustentável entre o rio e as comunidades, económica, social e ambientalmente. O nosso caso de estudo é o Rio Jamor.   Serão desenvolvidas pelo menos 3 fases: a primeira, fazer um primeiro contacto com os okupas das margens do Jamor, recolhendo informações de caráter geral sobre esta comunidade: quem são, o que fazem, porque o fazem; a segunda, conhecer de forma mais próxima as atividades de okupação, através da realização de entrevistas e outras formas de recolha de dados participada; a terceira, sistematizar toda a informação recolhida e realizar um pequeno filme.   A primeira fase está concluída: descemos o rio Jamor e conhecemos os okupas estabelecidos ao longo das margens do rio, desde a sua […]

Diário de Bordo I Dia 9 I Como okupar um ...


Finalmente o rio desaguou! O Centro Desportivo Nacional do Jamor situa-se na Cruz Quebrada, já muito perto do local em que o Jamor desagua no Tejo.   O leito do Jamor é cada vez mais largo, e as suas margens já não têm hortas. Mas o rio continua a apoiar a comunidade local, nomeadamente, para a prática desportiva: há atividades náuticas e regam-se campos desportivos. Para além dos desportistas, há pessoas a passear. O rio tem peixes, diversas espécies de aves e muitas plantas subaquáticas.     Depois, o rio finalmente desagua. Ali, mesmo ao lado da estação de comboios da Cruz Quebrada. Forma-se uma pequena praia, algumas pessoas aproveitam os últimos dias de calor do ano, há pescadores de cana em punho. O mar vê-se ao longe.    

Diário de Bordo I Dia 8 I Como okupar um ...



Terceiro exercício do processo de mapeamento desenvolvido pelo Outros Campeonatos no bairro Quinta do Cabrinha.   Neste exercício, quisemos conhecer as formas de expressão cultural do bairro. Como tal, foi envolvida a comunidade do Cabrinha. Cada participante devia indicar no mapa do bairro formas de expressão cultural desenvolvidas, quer individual, quer coletivamente, segundo sete categorias: artes, costumes, saberes e ofícios, crenças, instituições, objetos e edifícios. O grupo de participantes foi caracterizado através da sua idade e género. Em baixo a legenda dos símbolos utilizados.     Foram obtidas as seguintes respostas:     Análise descritiva das respostas Artes: 18 respostas As seguintes disciplinas artísticas são praticadas localmente: Artesanato/ trabalhos manuais – são referidos vários e várias habitantes com bastante habilidade para produzir este tipo de objetos, muitas vezes através do reaproveitamento de materiais, tais como, latão, madeira e afins. Música – o fado é bastante popular no Cabrinha (sobretudo entre […]

Mapeando o património cultural do Cabrinha


Segundo exercício do processo de mapeamento desenvolvido pelo Outros Campeonatos no bairro Quinta do Cabrinha.   Este exercício de mapeamento colectivo foi desenvolvido em duas fases: a primeira dentro do Cabrinha, envolvendo habitantes do bairro; a segunda, fora do Cabrinha, mas dentro da freguesia de Alcântara, envolvendo habitantes de outros bairros da freguesia. A primeira fase visou obter dados que nos permitissem conhecer de que forma os habitantes do Cabrinha utilizam os recursos urbanos que a freguesia de Alcântara e arredores disponibilizam; a segunda visou obter dados do mesmo tipo, mas relativamente a habitantes de outros bairros de Alcântara. Por um lado, quisemos comparar até que ponto a utilização dos recursos urbanos difere, entre os habitantes do Cabrinha e os restantes habitantes de Alcântara; por outro, procuramos perceber de que forma os habitantes de Alcântara vêm o bairro Quinta do Cabrinha e se utilizam os recursos que disponibiliza (e.g. campo […]

Mapeando os recursos urbanos de Alcântara



Primeiro exercício do processo de mapeamento desenvolvido pelo Outros Campeonatos no bairro Quinta do Cabrinha.   Queríamos entender quais são, para os habitantes, as zonas de conforto/ desconforto sensorial no bairro Quinta do Cabrinha. Assim, a tarefa era identificar essas zonas no mapa do bairro, utilizando oito símbolos diferentes.     Este exercício envolveu exclusivamente habitantes da Quinta do Cabrinha, e foi feito de forma individual. Eis alguns exemplos das respostas dadas:     Os resultados obtidos a partir de 52 respostas foram os seguintes:   Boca Verde/ Boca Vermelha Ao símbolo da Boca Verde os participantes atribuíram os significados de “boa comida”, “boa conversa” e “bom convívio”. À Boca Vermelha foram atribuídos significados, tais como, “pessoas a gritar das varandas dos prédios”, “discussões”, “conversa agressiva”.   Nariz Verde/ Nariz Vermelho O Nariz Verde representava para os participantes “limpeza” e “espaços verdes”. O Nariz Vermelho foi associado a “lixo”, “dejectos […]

Mapeando os sentidos no Cabrinha


Ao longo da implementação do Outros Campeonatos, enquanto pano de fundo das principais atividades do projeto, como os jogos de futebol de rua ou as visitas de turismo sustentável, foi desenvolvido um processo contínuo de mapeamento coletivo do bairro Quinta do Cabrinha.   O processo desenvolvido visou conhecer de forma simultaneamente mais ampla e profunda aspetos da realidade social do bairro. Queríamos saber como as pessoas vêm e usam o bairro Quinta do Cabrinha, as que lá moram, mas também as que vivem nas zonas circundantes; de que forma os habitantes do Cabrinha se relacionam entre si e com os espaços e recursos urbanos do bairro e arredores; também, de que forma os habitantes das zonas circundantes se relacionam com Cabrinha e têm acesso aos recursos que este disponibiliza; finalmente, o património imaterial do Cabrinha, os gostos, as vocações e os saberes dos que aí vivem, a história e as estórias […]

O Cabrinha mapeado – mapeamentos coletivos na Quinta do Cabrinha



Exposição realizada no espaço público do Cabrinha, durante a festa de encerramento do Outros Campeonatos, a 9 de setembro de 2017. Apresenta os resultados obtidos na oficina de fotografia, realizada durante a visita ao Aqueduto das Águas Livres, que o Outros Campeonatos realizou em 11 de março de 2017, envolvendo as comunidades dos bairros Quinta do Cabrinha, Liberdade e Serafina.         Depois de visitarmos os bairros da Serafina e da Liberdade, onde fomos simpaticamente recebidos pelo projeto Campolide Soma & Segue E6G, fomos todos (os do Cabrinha, os da Serafina e os da Liberdade) passear pelo mais emblemático monumento do Vale de Alcântara. Perante a magnífica vista, foram distribuídas algumas máquinas fotográficas descartáveis pelas mãos do grupo. A proposta era que, através da lente, os nossos jovens participantes pudessem conhecer e experienciar um novo ponto de vista do local onde vivem. Reparamos imediatamente que o ato de fotografar […]

Outros Campeonatos com vista sobre a cidade – exposição de ...


  Data: 29 de outubro de 2017 Início: 11h30 | Fim: 17h00 Local: Rua da Quinta do Cabrinha, 10 A/B, Alcântara, Lisboa   Tens boas ideias e preocupas-te com as falhas da nossa sociedade? Neste workshop vamos encontrar formas positivas de pôr em prática campanhas e projetos sociais. Na Academia Cidadã queremos dar-te as ferramentas para atuar e ajudar-te a defender a democracia, a igualdade, a inclusão e a sustentabilidade. Vem conhecer-nos e criAtivar(-te).   Inscreve-te (grátis) neste formulário, até dia 27 de outubro: https://academiacidada.org/criatividade-formulario/   E ajuda a divulgar o evento no facebook.

CriAtividade – desperta @ ativista que há em ti



Oeiras também é terra de hortas okupadas Os dias anteriores serviram-nos para seguir o curso do Jamor, sempre dentro do concelho de Sintra. Neste dia passamos para o outro lado do IC19 e chegamos a Oeiras.   O rio Jamor nasce na Serra da Carregueira, concelho de Sintra, e desagua na Cruz Quebrada, concelho de Oeiras. Percorre portanto dois concelhos, ambos da Grande Lisboa, fazendo do Jamor um rio urbano, pois nasce, corre e desagua numa área metropolitana, a de Lisboa. Esta é também uma das regiões mais povoadas de Portugal. Dona Maria, Brejo, Belas, Pendão e finalmente Queluz. Este é o percurso que o Jamor faz, e que nós visitámos, no concelho de Sintra. Neste dia entrámos no concelho de Oeiras, em plena Queluz de Baixo. Aqui, a margem direita do rio estreita-se e o terreno eleva-se abruptamente. Há apenas espaço para umas casinhas de pedra construídas em socalcos, […]

Diário de Bordo I Dia 7 I Como okupar um ...


Quando no meio da cidade irrompe o campo As hortas em Queluz são impressionantes pelo contraste que criam com os prédios em redor. Parece mesmo o campo a invadir a cidade, finalmente o triunfo da natureza.   Do passeio que está por cima da enorme planície que acompanha o Jamor, junto à estação de comboios de Queluz-Belas, veêm-se sempre muitas pessoas a trabalhar a terra. Nesse dia metemos conversa à distância com dois senhores, que, lá em baixo, regavam com uma enorme mangueira o que pareciam ser couves bebés. Queríamos saber como descer. Gritaram-nos que teríamos de ir até ao final da Avenida Miguel Bombarda e entrar por uma abertura entre dois prédios. Encontrámos a tal abertura e caminhámos por um carreiro, ao longo da margem esquerda do Jamor; vimos como o rio ali está tão limpo, com patinhos e algumas plantas subaquáticas; pudemos também ver de perto as dezenas […]

Diário de Bordo I Dia 6 I Como okupar um ...



Okupas sénior entre Belas e Queluz Às portas de Queluz aprendemos a aplicar um novo conceito: quinta okupa.   O Sr. Patrício é okupa na Quinta das Andorinhas. É uma okupação que dura há mais de 40 anos, o que faz do Sr. Patrício (e afirmamo-lo com todo o respeito) um okupa sénior. Divide o terreno, que é propriedade privada, e não do Estado, com pelo menos mais uma pessoa. Esta quinta okupa fica ali entre Belas e Queluz, sendo que não é única, nas redondezas. Podem ver-se, tanto para baixo (em direção ao rio), como para cima (em direção à serra), dezenas de outras quintas okupas, organizadas em socalcos, bem tratadas. No caso do Sr. Patrício, a Câmara Municipal de Sintra (CMS) fê-lo assinar uma declaração, na qual ele se compromete a desocupar o terreno, caso haja interesse nisso, seja por parte do dono, seja por parte do próprio […]

Diário de Bordo I Dia 5 I Como okupar um ...


No Grandi Navi: ricomincia la mobilitazione a Venezia „La “due giorni” vede convergere in laguna tra gli altri: i tedeschi del Movement against Stuttgart 21, i francesi del Comitè contre la construction de l’aereporte de Notre Dame des Landes, i portoghesi di Academia Cidadã, e i catalani di Ciutat per a qui l’habita Palma o i greci di Hellenic Mining Watch.“ Potrebbe interessarti: http://www.veneziatoday.it/cronaca/no-nav-grandi-navi-venezia.html

VENEZIA TODAY: No Grandi Navi, musica e gadget contro i ...



Per questo all’appello lanciato dal comitato No Grandi Navi hanno aderito in tanti e da tutta Europa. All’assemblea che si svolgerà sabato pomeriggio ai Magazzini del Sale, parteciperanno delegazioni del movimento tedesco contro Stuttgard 21, di Ciutat per a qui l’habita Palma delle isole Baleari, di portoghesi di Academia Cidadã e del Comitè francese contre la construction de l’aereporte de Notre Dame des Landes. Non potevano mancare i No Tav della Val di Susa, i No Muos siciliani, i No Tap del salento ed i napoletani di Stop Biocidio.   A Venezia le “Giornate europee dei movimenti per la difesa dei territori”

ALTRECONOMIA: A Venezia le “Giornate europee dei movimenti per la ...


  É já no próximo sábado, dia 9 de Setembro de 2017, a partir das 10h00, na Quinta do Cabrinha, em Alcântara. O Outros Campeonatos chega a uma data especial, a do Grande Torneio! Vai ser um dia cheio de actividades: além do torneio de futebol de rua, que acontece durante a manhã, preparámos atividades ao longo do dia com e para a comunidade local (população e instituições), para promover a coesão social e a valorização do espaço público. Temos também a participação da Fundação Benfica e do projeto Mão-Guia e vamos apresentar publicamente os resultados do projeto Outros Campeonatos. Ao fim de quase um ano de trabalho intenso com a comunidade da Quinta do Cabrinha, convidamo-vos a vir partilhar connosco este dia. Venham, venham todos ao Cabrinha!   O programa das festas é o seguinte: PROGRAMA 10h-14h – Torneio de Futebol de Rua Intercâmbio desportivo entre bairros da Grande Lisboa. […]

Vai haver festa! O Grande Torneio do Outros Campeonatos



Die Häuser sind jedoch längst nicht mehr nur in der Hand von Portugiesen. Mit einer Reihe von Sonderbedingungen lockt der portugiesische Staat gut betuchte ausländische Investoren nach Portugal: Das so genannte “Goldene Visum” vergibt eine fünfjährige Aufenthaltsgenehmigung an Nicht-EU-Bürger, die eine Immobilie im Wert von mindestens 500.000 Euro kaufen; und Rentner aus anderen EU-Staaten zahlen 10 Jahre lang keine Steuern auf ihre Bezüge, wenn sie in Portugal ihren Hauptwohnsitz haben. Leonor Duarte vom Lissabonner Bürgerverein “Academia Cidadã” kritisiert diese Politik.   http://www.deutschlandfunk.de/tourismusboom-in-portugal-fluch-oder-segen.724.de.html?dram:article_id=393350

DEURSCHLANDFUNK: Tourismusboom in Portugal – Fluch oder Segen?


A mensagem integrou também a Campanha Linha Vermelha – uma campanha criada pela Climáximo e a Academia Cidadã. A linha vermelha representa a voz dos que repetidamente disseram não à exploração de petróleo, tanto em Portugal como no resto do mundo, e que ao tricotar e crochetar, pretendem informar e mobilizar a população que caso contrário não seria sensibilizada para este crime.   https://www.maisalgarve.pt/noticias/regionais/8342-mensagem-na-praia-de-odeceixe-nao-ao-furo-sim-ao-futuro

+ALGARVE: Mensagem na praia de Odeceixe | Não ao Furo, ...



Os grupos ambientalistas ASMAA (Algarve Surf and Marine Association), ALA (Alentejo Litoral pelo Ambiente), Climáximo, Vila do Bispo sem petróleo, Tavira em Transição, Campanha Linha Vermelha, bem como os municípios de Aljezur e Odemira, juntaram-se a esta ação, que se integra na iniciativa “Defender o Sagrado: Imaginar uma Alternativa Global”. 13 de Agosto de 2017 http://www.sulinformacao.pt/2017/08/pessoas-de-40-paises-formaram-mensagem-humana-gigante-na-praia-de-odeceixe-contra-exploracao-de-petroleo/

SULINFORMAÇÃO: Pessoas de 40 países formaram mensagem humana gigante na ...


Sei que tinha prometido escrever antes. Mas o trabalho foi tanto que não houve tempo. Vejam na nossa página de Facebook e confirmem que não deu para parar. Chegámos ao fim de cinco dias intensos, de partilha e de convívio. De aprendizagem e de criação de ligações.     Foram dias, quase demasiado, cheios. As ligações entre todos foram crescendo como raízes a uma velocidade alucinante e, no fim, ninguém queria vir embora. Trabalhou-se imenso em todas a oficinas. Da cozinha à sala de teatro houve um pouco de tudo. As oficinas correram imensamente bem, posso dizer que a comida que surgiu delas era de chorar por mais. E o teatro? Foi intenso e sincero, teve a capacidade de por toda a gente a pensar em dificuldades que se enfrentam no dia a dia. E ficámos com caixas que agora têm uma vida nova e tanto jeito vão dar, graças […]

O Estágio acabou mas é para ficar



Na altura que escrevo este artigo está a haver mais uma sessão de teatro fórum, nas instalações da Associação Spin, no Bairro Padre Cruz. Enquanto alguns continuam a praticar, os outros, que esperam a sua vez, preparam a festa que vai haver amanhã à noite. É assim que tem acontecido, por estes dias. Formaram-se os grupos em que se ia trabalhar, com gente dos três projectos que estão a participar no estágio. E vai-se trabalhando. Uns numa actividade, outros noutra, em simultâneo e com o olhar a apontar na mesma direcção: o que temos em comum, o que conhecemos, o que podemos aprender, uns com os outros, uns com os outros, uns dos outros. O Luiz Pacheco, escritor, num texto chamado “Comunidade” fala sobre a família e da partilha como uma jangada. É uma imagem literária bonita, a da jangada. Aqui, alguns são família, outros não. Alguns são amigos, outros […]

Estágio Outros Campeonatos – Diário de bordo 1


Começou ontem um dos eventos que mais gozo e orgulho nos deu organizar.   Como a época exige, antes de começar o campeonato, há um estágio. Durante 5 dias vamos estar na Associação Spin, em pleno bairro Padre Cruz, com a prática e a metáfora do estágio de futebol.     Dizemos metáfora porque nem só de futebol se trata (sabendo que o futebol de rua está e estará sempre presente nas actividades do Outros Campeonatos).   Organizamos 5 dias de actividades, uma delas o futebol de rua. Além deste, há oficinas de upcycling e de alimentação sustentável. Há teatro fórum e uma incubadora de acção onde falamos dos problemas do dia-a-dia que se enfrentam nos bairros onde os nossos participantes vivem e a se procuram soluções para alguns deles. Trazemos também pessoas com histórias de vida inspiradoras para conversar com os nosso jovens. A seu tempo, saberão quem são. […]

O Grande Estágio do Outros Campeonatos



Perdidas na floresta Mesmo à saída de Belas encontramos um caminho pelo meio de algumas hortas okupas.   Quanto às hortas, pelas suas grandes dimensões e de tão bem muralhadas que estavam, ficamos a pensar que esta ocupação já foi feita há muito tempo. Infelizmente, não encontramos ninguém com quem pudéssemos confirmar esta suspeita. O caminho levou-nos a subir o rio Jamor, praticamente até à zona do Lisbon Sports Club, já bem para dentro da Serra da Carregueira.     Nem parecia que estávamos a 5 minutos da cidade. Sempre avistando infraestruturas que identificamos pertencerem ao Aqueduto das Águas Livres (sim, o que acaba nas Amoreiras, em Lisboa), fomos caminhando pelo meio da natureza. Vimos como o terreno é rochoso, confirmando o que a Natalina nos havia explicado no dia 1. As hortas já tinham ficado para trás, aqui a natureza já se exprimia com maior liberdade: várias espécies de […]

Diário de Bordo I Dia 4 I Como okupar um ...


O Jamor, as minas e o golfe Fizemos a visita da praxe à Natália, antes irmos ter com o Sr. Henrique.   Visitamos as Minas do Brejo e imediatamente percebemos a sua importância na economia familiar do Sr. Henrique: regar a cultura agrícola, dar de beber aos animais e, no passado, fonte de água para todos. As minas também passaram a ajudar no lazer, quando perto de duas delas o Sr. Henrique construiu um espaço de refeições e descanso.     Depois fomos ao Lisbon Sports Club, em Belas, onde o Nuno, o greenskeeper do campo de golfe, já nos esperava no seu buggy. Estava pronto para nos levar a passear ao longo da porção do Rio Jamor que corre na propriedade do clube. Informou-nos que fazem com regularidade um trabalho de limpeza e de manutenção de margens, aproveitando o rio como um dos obstáculos na prática do golfe. Já […]

Diário de Bordo I Dia 3 I Como okupar um ...



A água de Dona Maria Voltando a Dona Maria, revisitamos a Natália.   Ela entretanto já tinha feito pesquisas para nos ajudar sobre o rio Jamor, mas nenhuma conclusiva quanto ao local da sua nascente, aconselhando-nos a consultar as cartas militares. São muitas, as minas de água existentes pela zona, havendo por exemplo uma mesmo debaixo do principal largo de Dona Maria, o Largo do Chafariz. Disse-nos que esta é a zona de Lisboa com maior quantidade de águas subterrâneas, pelo que a etnografia local está intimamente ligada ao tema da água: as lavadeiras até aos anos 80 assistiam Lisboa com os seus serviços, havendo hoje em dia ainda as almácegas onde lavavam a roupa (atualmente as almácegas estão em propriedade privada, não podendo ser visitadas); os aguadeiros iam de Dona Maria para Lisboa para vender água. Existe a crença que estas águas têm propriedades medicinais e era costume beber-se […]

Diário de Bordo I Dia 2 I Como okupar um ...


A iniciativa, que se realizou no último dia do Festival Músicas do Mundo, contou também com a participação da campanha nacional ‘Linha Vermelha’ que utiliza as artes do tricot e da tecelagem para mobilizar e alertar os portugueses para a exploração de petróleo e gás em Portugal. “A ideia é tecer a maior linha vermelha possível e com ela percorrer o país em instalações e ações como a que estamos a realizar em Sines porque é um elemento visual muito forte e que as pessoas possam relacionar com o petróleo”, explicou Catarina Gomes. 31/07/2017 Ativistas do ALA pintaram-se com tinta de choco para dizer não ao furo

DIÁRIO DA REGIÃO: Ativistas do ALA pintaram-se com tinta de ...



Em paralelo, a Linha Vermelha desfiou agulhas e linhas para “alertar e consciencializar os portugueses para a exploração do petróleo e do gás em Portugal”, explicou Catarina Gomes, responsável pela campanha nacional que recorre às artes do tricô e do croché para desenhar uma estratégia “mais leve” e “convidativa”, porque, “quando as pessoas ouvem estes assuntos, sobre o petróleo, qualquer coisa relacionada com activismo, ou coisas mais sérias, assustam-se”. 30.07.2017 22:38 por Lusa http://www.sabado.pt/portugal/detalhe/tinta-de-choco-e-trico-contra-petroleo-na-costa-alentejana

SÁBADO: Tinta de choco e tricô contra petróleo na costa ...


Em paralelo, a Linha Vermelha desfiou agulhas e linhas para “alertar e consciencializar os portugueses para a exploração do petróleo e do gás em Portugal”, explicou Catarina Gomes, responsável pela campanha nacional que recorre às artes do tricô e do croché para desenhar uma estratégia “mais leve” e “convidativa”, porque, “quando as pessoas ouvem estes assuntos, sobre o petróleo, qualquer coisa relacionada com ativismo, ou coisas mais sérias, assustam-se”. 29 DE JULHO DE 2017 https://www.dn.pt/lusa/interior/tinta-de-choco-e-trico-vermelho-contra-pesquisa-de-petroleo-na-costa-alentejana-8672858.html

DN: Tinta de choco e tricô vermelho contra pesquisa de ...



Dez ativistas cobriram-se de tinta de choco, na marginal de Sines, esta tarde, enquanto outros pegavam em agulhas para tricotarem uma linha vermelha contra a exploração de petróleo na costa alentejana. 29 Jul, 2017 https://www.rtp.pt/noticias/ambiente/tinta-de-choco-e-trico-vermelho-contra-pesquisa-de-petroleo-na-costa-alentejana_n1017910

RTP: Tinta de choco e tricô vermelho contra pesquisa de ...


Em paralelo, a Linha Vermelha desfiou agulhas e linhas para “alertar e consciencializar os portugueses para a exploração do petróleo e do gás em Portugal”, explicou Catarina Gomes, responsável pela campanha nacional que recorre às artes do tricô e do croché para desenhar uma estratégia “mais leve” e “convidativa”, porque, “quando as pessoas ouvem estes assuntos, sobre o petróleo, qualquer coisa relacionada com activismo, ou coisas mais sérias, assustam-se”. Mário Lopes Pereira 29 de Julho de 2017 https://www.publico.pt/2017/07/29/fotogaleria/dizer-nao-ao-petroleo-no-alentejo-com-tinta-de-choco-375942

PÚBLICO: Dizer não ao petróleo no Alentejo com tinta de ...




À procura de uma nascente Queríamos começar pelo início, encontrar o local onde nasce o rio Jamor. Não foi fácil.   Contrariamente ao esperado, a web não informa acerca do paradeiro da nascente do Jamor. Tudo o que se lá encontra é uma vaga informação sobre como o rio nasce em Dona Maria, na Serra da Carregueira, concelho de Sintra. De câmara de filmar em punho, fomos nessa verdadeira expedição. E descobrimos o seguinte: a)      Dona Maria é uma pequeníssima aldeia nos subúrbios da Grande Lisboa, mas preserva ainda características bem rurais - pequenas quintas, um casario meio desordenado que desemboca em pequenos largos, estradas de terra batida e muitas fontes; em Dona Maria toda a gente se conhece e/ou tem grau de parentesco. b)      O rio Jamor vai ganhando diferentes nomes, dependendo do lugar por onde passa (ribeira de Belas, ribeira do Brejo, ribeira de Dona Maria, etc); nasce […]

Diário de Bordo I Dia 1 I Como okupar um ...



GANHÁMOS!   Pronto, já gritámos.   No passado sábado, tivemos a honra de ser convidados para o IX Torneio de Futebol de Rua do Bairro Padre Cruz.   A Associação Nacional de Futebol de Rua organizou um evento formidável, na recente praça de futebol de rua no coração do bairro. Foi com um enorme prazer que fomos, mais uma vez, até Carnide para conviver com os nossos parceiros; aqueles que nos ensinaram o pouco que sabemos sobre estas andanças do futebol de rua. Tudo o que aqui temos feito relacionado com o futebol de rua, a eles devemos.     Sem rodeios: saímos da Quinta do Cabrinha animados com a tarde que íamos passar a Carnide, e sem expectativas nenhumas em relação à classificação que iriamos obter no torneio. Nem sequer foi uma questão que fosse levantada por alguém (mesmo, nem o mais competitivo dos nossos jogadores falou de tal […]

O Cabrinha Campeão


Festejamos o amor pelos dois, mas não reconhecemos o amor a 3 ou a 4… Um país governado por uma geringonça tem de aceitar as geringonças do amor. Hoje, erguemo-nos como uma fénix, por todas as lutas, porque elas se entrecruzam. Mas ainda mais pelas pessoas trans, que estiveram sempre à cabeça das lutas queer, deram o corpo ao manifesto e às balas, e continuam a ser as mais discriminadas, também por esta comunidade. Por elas e por nós, hoje e sempre, não façamos silêncio e tanta gente. Porque o povo avança é na rua a gritar! O general Galvão de Melo já nos tinha avisado que o 25 de Abril não tinha sido feito para as prostitutas e homossexuais mas, pelo menos, esperávamos que os nossos livros de história, em 2017, não falassem da colonização esclavagista como se tivessem sido oceanos de amor. Queiram ou não queiram, generais ou […]

A nossa (euro)visão de um país sem discriminação! (VÍDEO) Discurso ...



Este é um texto especial. O  Michele Spatari, um aprendiz de arquitectura italiano, passou de rompante pela Quinta do Cabrinha. Esteve em Lisboa até ao princípio deste mês de Junho a colaborar com o Colectivo Warehouse e achou por bem vir fotografar a Quinta do Cabrinha e as suas gentes. As palavras dele serão sempre melhores que as nossas para perceber o como e o porquê de isto ter acontecido. Ficam a entrevista e algumas das imagens que nos deixou. Olá, Michele. Podes apresentar-te? Ciao! O meu nome é Michele Spatari e sou um estudante de arquitectura italiano à procura do meu caminho no fotojornalismo, fotografia documental e nos media noticiosos em geral. Eu sei, é um caminho árduo. Nasci numa cidade de média escala italiana chamada Bolonha em 1991 e tive sorte suficiente para, durante os últimos anos, ter a oportunidade de viver em sítios como Lisboa, Beirute e […]

O que vê um fotógrafo italiano no Cabrinha?


Leonor Duarte, psicóloga e fundadora da Academia Cidadã, parte do movimento Morar em Lisboa, diz que o que se está a passar em Lisboa é “um segundo terramoto”. A diferença é que os terramotos não são premeditados e esta convulsão, na sua opinião, não foi apenas uma fúria da natureza. “Estas coisas não acontecem por acaso: há uma promoção da cidade de Lisboa como um centro para o investimento estrangeiro, querem Lisboa concorrida, cosmopolita, limpinha. Um terramoto é uma coisa destrutiva e, depois de acontecer, normalmente há uma limpeza e constrói-se de novo. É mais ou menos essa a intenção”, refere Leonor Duarte, de 45 anos, ao Observador. “Eu sou igual a qualquer arrendatário em Lisboa: vivo em Alfama, estou em perigo e estou com medo. O meu contrato pode não ser renovado, mesmo que ainda ninguém me tenha dito que é essa a intenção. Não acredito que haja alguém […]

OBSERVADOR: “Em Lisboa está tudo à espera de arrendar a ...



Há um ciclo que chega ao fim no Outros Campeonatos de onde emergem relações criadas, trabalho feito e o esforço conjunto da abertura do bairro a outras comunidades espalhadas pela cidade. As visitas que estavam programadas para estes primeiros meses de projecto chegam ao fim, com a presença do Campolide Soma&Segue – E6G na Quinta do Cabrinha. Há uma sensação de satisfação por tudo o que foi feito até agora dentro da comunidade da Quinta do Cabrinha. Era muito pouco provável que quem cá passou durante estes meses o tivesse feito de outra forma. É também esse o trabalho, sim, proporcionar estes encontros, mas não é a isso que sabe. É importante ver as coisas a acontecer com olhos de quem vê e o que vemos é crescimento. Crescimento que acontece no relacionamento com o outro e com a colaboração de muita gente da comunidade na organização deste evento. É […]

Outros Campeonatos Soma e Segue


Após a tendência do século XX de casas okupadas, trazemos para o século XXI uma nova necessidade: okupar rios. Ao usar modelos económicos insustentáveis, as comunidades urbanas têm perdido os seus rios como um bem comum. É urgente resgatar a relação antiga entre ambos. Como okupar um rio é uma ferramenta de aprendizagem de investigação e desenvolvimento, que visa mostrar como uma comunidade pode resgatar um rio pelo bem comum.     A relação rio-cidade é essencial para o desenvolvimento urbano. A disponibilidade de água foi sempre um dos factores decisivos para o estabelecimento definitivo das populações. Com o avanço industrial, as relações rio-cidade mudaram. Existe uma separação funcional, causada por grandes obras de correcção perpetradas nos rios urbanos, agravadas pelos fortes níveis de poluição de dos leitos e margens. Se os maiores rios são utilizados quase que exclusivamente para fins económicos, os mais pequenos, geralmente extremamente poluídos, constituem, nas […]

Como okupar um rio – introdução ao projeto



As visitas continuam e a Quinta do Cabrinha recebeu (e bem, como sempre) mais um grupo de convidados no sábado que passou. O Dá-te ao Condado, da antiga zona J de Chelas, agora Bairro do Condado, veio visitar o Outros Campeonatos e a Quinta do Cabrinha para mais um dia de actividades. O futebol de rua deu o mote para o dia, numa manhã de correria e jogatana. Fizeram-se jogos entre os dois bairros e depois toda a gente à misturada. É uma forma de criar ligações e relações, o futebol de rua. Além de nos fazer olhar para nós próprios e para os outros dentro de um grupo, jogar com pessoas que ainda não conhecemos obriga-nos a avaliar a forma como nos relacionamos.     Estas visitas de sábado seguem sempre o mesmo roteiro, e quem já leu os outros artigos sobre alguma delas, sabe que o Um Outro […]

O Condado em Alcântara


Sábados. Sempre os sábados para ir e receber, conhecer gentes e ideias. Desta vez foi a Associação Cais que nos visitou na Quinta do Cabrinha. O plano foi à semelhança daquilo que tanto gostamos de fazer: receber bem, fazer com que todos se sintam à vontade para se conhecer e partilhar um dia cheio, com futebol de rua e as máquinas do Pietro, com a Alcântara de hoje e de ontem. Para começar, o futebol. De rua. A Associação Cais tem uma longa história ligada à modalidade. Foram os seus primeiros promotores no país, utilizam-no como estratégia de inclusão social desde 2004 com grande sucesso. E vieram partilhar o campo connosco, misturando pessoas de todas as idades e com histórias de vida muito diversas, jogando uma manhã inteira.     É importante para nós, no Outros Campeonatos, ver tanta coisa a acontecer. As pessoas que nos visitam são tão diferentes […]

A CAIS no Cabrinha



Os papéis inverteram-se. Depois de dois meses a sair, visitar outros projectos e bairros espalhados por Lisboa, cabe-nos receber toda a gente que tão bem nos acolheu. A primeira a visitar a Quinta do Cabrinha e o Outros Campeonatos (e entenda-se no âmbito destas saídas, pois já cá tinham estado e deixado saudades) foi a Associação Nacional de Futebol de Rua. Foi um dia cheio, solarengo, que acabou com aquele tipo de cansaço que sabe bem. É confortável receber pessoas de quem gostamos e que nos tiram imediatamente o nervoso da responsabilidade de ser anfitrião. O pessoal da Associação Nacional de Futebol de Rua tem o condão de nos pôr completamente à vontade e assim foi. O dia começou com futebol de rua. Previsível? Sim. Faz todo o sentido? Também. Estivemos a manhã a jogar para nos conhecermos melhor, o corpo em movimento faz esquecer as vergonhas e os embaraços […]

Depois de ir, receber


Continuamos a série de artigos parceiros. Como não queremos fazer disto uma coisa sobre nós, não temos grande coisa a acrescentar. Ficam as palavras do Lisbon Sustainable Tourism:   Depois de mais um passeio por Lisboa com o projeto “Outros Campeonatos”, termina uma fase, a nosso ver, de grande importância. Termina para dar início a outras fases. E não nos referimos apenas às visitas de novos amigos e parceiros ao Bairro da Quinta do Cabrinha, já agendadas para os próximos meses, mas também a outros momentos e iniciativas que surgirão com a vontade de continuar a conhecer e a aproveitar todos os recursos que a nossa cidade nos oferece. O Lisbon Sustainable Tourism estará sempre disponível e continuará a trabalhar para que estes e outros jovens (miúdos e graúdos) tenham acesso à sua cidade, que possam aprender, conhecer o seu património histórico e cultural, ou tão somente, ao desfrutar das […]

Artigos Parceiros – Lisbon Sustainable Tourism



Fechou com chave de ouro. A última visita programada (o que não significa de forma alguma o fim dos passeios que tanto gostamos de fazer) desta fase do Outros Campeonatos foi no passado sábado. Visitámos o projecto Dá-te ao Condado E6G, no Bairro do Condado, em Chelas, promovido pela Associação Guineense de Solidariedade Social – Aguinenso. Já estamos a parecer um bocado suspeitos de tanto o repetir, mas somos sempre tão bem recebidos. Levar o Cabrinha a conhecer novas culturas, visitar pontos da cidade que não fazem parte dos percursos turísticos e das rotas naturais do dia a dia e conhecer pessoas que, dentro da sua alteridade, têm pontos em comum connosco e com a nossa forma de estar. É sempre isso que procuramos com estas visitas. Quando nos encontrámos com o pessoal do Dá-te ao Condado E6G não estávamos à espera de ter um dia tão activo, sinceramente. Assim […]

Outros Campeonatos no ar


Foi um sábado óptimo, o da 3ª visita do Outros Campeonatos. Desta vez ficámos por perto mas ainda assim andámos imenso. Fomos visitar o projecto Campolide Soma & Segue E6G, a acontecer nos bairros da Liberdade e da Serafina. Houve futebol de rua, como sempre. Ficámos a conhecer as actividades do Some & Segue e ficámos fascinados com o estúdio de produção musical e com os videoclips que fizeram. É também por isto que saímos, não só para conhecer sítios, realidades e gente nova, mas para buscar ideias e conhecer formas de pensar e agir diferentes da nossa. Olhar os outros, ajuda a olhar-mo-nos a nós próprios.     Almoçámos num jardim com uma vista muito agradável para o Vale de Alcântara, resultado de um projecto, à nossa semelhança, financiado pelo programa BIP/ZIP.   Depois seguimos para Campolide, para visitar o Aqueduto da Águas Livres. A bom ver, atravessámos o […]

Outros Campeonatos com vista sobre a cidade



“Entre os subscritores iniciais do manifesto da Marcha Mundial do Clima, contam-se 18 movimentos, sindicatos e partidos portugueses: Academia Cidadã(…)” Agência Lusa 5/3/2017   Marcha Mundial do Clima em Portugal marcada para 29 de abril

Marcha Mundial do Clima em Portugal marcada para 29 de ...


Continuamos a passear por Lisboa, a conhecer o trabalho de construção de comunidade que por cá se faz e a espalhar o futebol de rua por outras paragens.     Desta vez saímos do Cabrinha em direcção ao centro da cidade, para ir visitar a Casa do Brasil em Lisboa, em pleno Bairro Alto. Era Carnaval, impunha-se a visita, não é?     Fomos, como sempre até agora, imensamente bem recebidos. O Diógenes explicou-nos como funciona a Casa do Brasil em Lisboa, os serviços que prestam à comunidade e as actividades que organizam. Foi mais uma oportunidade de conhecer pessoas que se organizam em volta do bem comum, da organização de melhores condições para todos. Levamos destes encontros ideias e boa energia para continuar a fazer o que fazemos e melhorar as nossas práticas. Seguimos em direcção ao Jardim do Princípe Real para uma jogatana de futebol de rua em […]

Outros Campeonatos por Lisboa